Skip to main content

Jornalistas da Tambor apontam que derrotar Bolsonaro é prioridade

Da Agência Tambor
Por Paulo Vinicius Coelho
21/06/2021

Os protestos contra Bolsonaro, a ida de Flávio Dino e Marcelo Freixo para o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e outros aspectos da conjuntura política estivem na pauta do Jornal Tambor desta segunda-feira (21).

O debate se deu entre os jornalistas da Agência Emilio Azevedo e Ed Wilson Araújo (que também é professor da UFMA), mediado por Lívia Lima.

(VEJA ABAIXO A DEBATE E O JORNAL TAMBOR)

No sábado (19), milhares de manifestantes em mais de 400 cidades foram às ruas contra Bolsonaro. Essa é, de acordo com Ed Wilson, uma das novidades da conjuntura.

O professor lembrou que até pouco tempo somente a extrema-direita estava organizando manifestações. Agora, ‘’a rua que estava sendo dominada pelo bolsonarismo passa a ser compartilhada pelos movimentos democráticos’’, afirmou.

Segundo Ed Wilson, essa disputa nas ruas já dá indícios de uma eleição em 2022 polarizada entre a extrema-direita e o campo democrático. Algo parecido com o que houve em 2018. O jornalista, no entanto, fez uma ressalva:

‘’Em 2018, o Bolsonaro era uma grande novidade. Dessa vez ele vai ser avaliado e julgado por uma gestão desastrosa. Os outsiders [representantes fora do jogo político tradicional, como artistas e policiais] devem perder espaço.’’

Diante da polarização entre Bolsonaro e Lula, Emilio Azevedo destacou ‘’a necessidade de uma frente ampla comprometida com a vida, porque o que está aí hoje é uma necropolítica [política da morte]’’

Emilio lembrou que em 2016, o então deputado Jair Bolsonaro votou a favor do impeachment de Dilma Roussef homenageando a memória de Carlos Alberto Brilhante Ustra, coronel do Exército Brasileiro e sabidamente um torturador.

‘’O sujeito que se elegeu em 2018 em nome de Deus e da honestidade, em 2016 homenageou Ustra e Eduardo Cunha, o pai da corrupção. Isso representa uma profunda hipocrisia e uma grande violência’’ enfatizou Emilio.

Ed Wilson acrescentou que a ‘’a unidade do campo democrático é necessária não só para derrotar a figura do Bolsonaro, mas também a sua agenda econômica’’.

O professor sublinhou que as consequências das reformas trabalhista e previdenciária e a ameaça da reforma administrativa se traduzem no crescimento do mercado informal, no avanço da fome e da miséria.

Em relação ao PSB, Emilio apontou que é um dos partidos de esquerda, que tem defendido uma frente ampla. E que as presenças de Flávio Dino e Marcelo Freixo reforçariam esse alinhamento e o entendimento de que Lula é a principal referência do campo popular.

‘’O PSB sabe que Dino é uma pessoa próxima de Lula. No caso do Freixo, há o desejo de fazer uma aliança ampla para derrotar o bolsonarismo na casa de Bolsonaro, no Rio de Janeiro’’ disse o jornalista.

Questionados sobre ‘’onde estariam as pautas da comunicação livre, da defesa do território das comunidades quilombolas e outras prioridades nesse alinhamento em torno de Lula?’’ os dois entrevistados citaram a importância da organização da sociedade civil para formular um programa e pressionar o governo.

Emilio citou João Pedro Stédile (MST), que recentemente esteve na Agência Tambor e falou que as organizações sociais devem se dedicar na elaboração de um projeto popular para o Brasil.

E Ed Wilson conclui que “’tem que disputar esse eventual governo, se mobilizar pra ver se a gente consegue uma fatia maior do bolo. Os negociantes [as elites e os partidos fisiológico] vão pra cima pedir favores, cargos e privilégios’’.

Veja abaixo a íntegra do Jornal Tambor, com as opiniões de Ed Wilson Araújo e Emilio Azevedo.

https://youtu.be/WV3Y7gQBuTg

Ouça o mesmo debate pela plataforma Spotify

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Acesso Rápido

Nossas Redes

Mais buscados