Skip to main content

Cajueiro! Manifestantes cobram responsabilidade de Flávio Dino

Giovana Kury

Jornal Vias de Fato

 

Manifestantes foram às ruas do Centro Histórico de São Luís na tarde desta terça-feira (13) exigindo um posicionamento do governador Flávio Dino em relação ao despejo de famílias da comunidade do Cajueiro e à abordagem violenta da Polícia Militar para reprimir seus últimos protestos. Foi o primeiro ato com foco em denunciar atitudes controversas da atual gestão estatal, representando sinais de desgaste entre os eleitores do pcdebista.

Juntos a diversas entidades civis, como a Defensoria Pública e a Sociedade dos Direitos Humanos, os moradores do Cajueiro começaram a agir desde a manhã desta terça. Após um breve encontro com o Secretário de Direitos Humanos do Maranhão, Francisco Gonçalves, eles se dirigiram ao Sindicato dos Bancários, na Rua do Sol. Por volta das 16h30, partiram em marcha.

Às 17h, o grupo se juntou ao movimento de estudantes contra os cortes do Governo Federal, a Greve Pela Educação, que acontecia simultaneamente no centro de São Luís. Com o contingente maior de apoiadores da causa, os manifestantes foram rumo ao Palácio dos Leões, que seria o ponto final do trajeto.

Haviam oito viaturas e cerca de 15 policiais distribuídos pela praça do Palácio, além de um ônibus trancando o acesso à frente da casa do governador. Tendo em vista a repressão ocorrida naquele mesmo lugar no dia anterior, os manifestantes resolveram permanecer em frente ao Palácio La Ravardière, da prefeitura, e proferiram discursos a favor da comunidade do Cajueiro e contra os excessos da PM.

Os atos em defesa da comunidade em questão ganharam força na segunda-feira (12), quando dezenas de militares chegaram à comunidade do Cajueiro, próxima à Vila Maranhão, para cumprir um pedido de reintegração de posse para a construção de um porto privado no terreno. Apesar da resistência das famílias, 22 casas foram demolidas e diversos moradores sofreram com bombas de gás e spray de pimenta, inclusive uma mulher grávida.

A violência se repetiu na noite do mesmo dia, durante o acampamento de cerca de 30 moradores da comunidade em frente ao Palácio dos Leões. Mesmo com crianças e idosos no grupo, o Batalhão de Choque os dispersou do local fazendo uso de bombas de gás, balas de borracha e mais detenções sem motivos claros. O Secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, estava presente na ocasião.

“Estamos lutando há muitos anos”, externou o ‘seu Davi’, durante fala na manifestação da terça. Ele chegou no território com apenas 6 anos, em 1966. Hoje, com 63, luta pelo reconhecimento do Cajueiro e teme que as moradias tenham sido demolidas quando voltar à sua terra. “Queremos nosso direito de permanecer em nossas casas”, afirmou.

O protesto teve fim por volta das 19h. Depois, os membros da comunidade se concentraram em frente à Igreja da Sé e voltaram ao Sindicato dos Bancários, onde devem passar a noite.

 

Publicado em agenciatambor.net.br

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Acesso Rápido

Nossas Redes

Mais buscados