Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Trabalhadores domésticos lutam por proteção em meio a pandemia

Compartilhe:
images-12

Da Agência Tambor
Por Danielle Louise
11/05/2020

A pandemia do novo coronavírus, destaca, ainda mais, a realidade vulnerável da classe dos trabalhadores domésticos. Eles são expostos ao vírus, pois são obrigados a continuar sua jornada de trabalho, em meio a quarentena. No Brasil, a primeira morte registrada por Covid-19, foi de uma trabalhadora doméstica. 

A Agência Tambor conversou, nesta segunda-feira (11), com Maria Isabel Castro Costa, integrante do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos do Estado do Maranhão (Sindoméstico-MA) e da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad).

No Radiojornal Tambor, ela falou das demandas e dificuldades enfrentadas pela classe durante a pandemia. 

Maria Isabel ressaltou como muitas trabalhadoras foram demitidas ou entraram em acordo com seus empregadores por meio da Medida Provisória n.º 936/2020. No entanto, algumas que conseguiram este acordo, segundo ela, ainda têm dificuldades em receber o pagamento. 

A integrante do Sindoméstico-MA também falou sobre o decreto de lockdown (bloqueio total) feito pelo governo do Maranhão, que iniciou no dia 5 de maio. No documento, os trabalhadores domésticos são considerados como serviço essencial e ela enfatizou como isso é prejudicial para a classe e à sociedade. 

“Gostaria que o governador mudasse (o decreto) para não tornar vulnerável a trabalhadora doméstica. A política de saúde precisa proteger as duas partes, o empregador e a trabalhadora”, argumentou ela. “Por que o trabalhador doméstico de repente se tornou essencial?”, questionou. 

Ela ressaltou que o desejo dessa classe é manter o isolamento social, em casa, com seus familiares. Mas isso não está sendo possível devido ao decreto e aos empregadores que exigem a manutenção da jornada de trabalho em meio a pandemia. 

“Que política de segurança as trabalhadoras estão tendo, se todos estão em isolamento, mas elas ainda precisam trabalhar?”, perguntou Maria Isabel. 

Confira o decreto na íntegra:

https://www.ma.gov.br/agenciadenoticias/wp-content/uploads/2020/05/DECRETO-35.784-DE-3-DE-MAIO-DE-2020.pdf

Ouça a entrevista completa em nosso TamborCast.

Deixe seu comentário: