Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Tambor debate conjuntura política do Maranhão e do Brasil

Compartilhe:
ex-presidente-luiz-inacio-lula-da-silva

Da Agência Tambor
Por Danielle Louise

05/04/2021

Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Os jornalistas Ed Wilson Araújo, Emilio Azevedo e Flávia Regina Melo debateram sobre a conjuntura política do Maranhão e do Brasil, no Radiojornal Tambor, nesta segunda-feira, 5.

Emilio Azevedo destaca os movimentos que estão se desenhando para a corrida eleitoral para o novo governo no Maranhão em 2022, já que Flávio Dino (PCdoB) está saindo de cena, ao completar seu segundo mandato.

Ele ressalta que o senador, Weverton Rocha (PDT), e o atual vice-governador, Carlos Brandão (PSDB) são possíveis candidatos ao governo do Estado. Segundo o jornalista, também existe uma análise sobre os vices das duas chapas. Já o atual governador, Flávio Dino, deve concorrer ao Senado com a possibilidade do pcdobista ser candidato por outro partido.

No cenário nacional, as forças políticas se movem na possível candidatura do ex-presidente Lula (PT) à presidência da República depois de ter se tornado elegível novamente.

De acordo com Ed Wilson Araújo, após o retorno do petista, ocorreu “alvoroço” no governo de Bolsonaro, causando efeitos como o uso da máscara e a defesa da vacina contra Covid-19.

Na análise do jornalista, Lula está de olho em um vice-presidente do campo do Centro. “Todos sabemos da força política de Lula”, ressaltou.

Segundo Emilio Azevedo, o lulismo não tem a possibilidade de vencer sozinho as eleições de 2022 e precisará desses campos políticos para se aliarem por sua candidatura.

Para ele, Bolsonaro é um fator de exceção e a volta do ex-presidente Lula pode fazer o PT e o MDB se aliarem novamente. Por conta disso, em sua análise, talvez o petista não chame Flávio Dino para compor sua chapa, por ele ser do Nordeste, e deve buscar um vice nos estados em que o seu partido não é tão forte, como Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Ouça a entrevista completa em nosso TamborCast.

 

 

 

Deixe seu comentário: