Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Políciais agridem trabalhadores rurais durante despejo em Pindaré-Mirim no Maranhão

Compartilhe:
45135848344_893ccc3bc1_z

Juca Guimarães

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

13/11/2018

 

A Polícia Militar do Maranhão, em cumprimento a uma decisão judicial, iniciou uma operação de despejo das cerca de 250 famílias de trabalhadores rurais sem terra, ligadas ao MST, que vivem em Pindaré-Mirim, a 255 quilômetros de São Luís.

A operação começou às 5h30 da manhã e, de acordo com os trabalhadores rurais, os policiais agiram de forma truculenta. Um homem ficou ferido e precisou ser socorrido.

A área é ocupada pelos agricultores desde setembro de 2016 e o movimento popular pediu para o Estado investigar a documentação do território, pois há suspeita de irregularidade. O movimento acredita que é uma área da União com condições de ser destinada à reforma agrária, dependendo da análise do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

O suposto proprietário, que entrou com o pedido de despejo na Justiça Federal, já é investigado por invasão e grilagem de área de preservação permanente às margens do rio Parnaíba, que divide os estados de Piauí e Maranhão. Ele é dono de uma conhecida rede de lojas do Nordeste.

A área ocupada pelas 250 famílias há dois anos estava improdutiva. Enquanto aguardavam a análise para saber se a área poderia ser destinada à Reforma Agrária, os sem terra começaram uma produção de subsistência de milho, mandioca, feijão e arroz. A plantação de mandioca, por exemplo, ocupa uma área de 110 hectares.

Os agricultores fizeram vários pontos de barricada para atrasar o avanço dos polícias. A estratégia é para ganhar tempo e conseguir negociar com a Justiça uma suspensão do despejo.

A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão foi procurada pelo Brasil de Fato para dar sua versão sobre os relatos de abusos e truculência durante a operação de despejo, mas não respondeu.

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira

Deixe seu comentário: