Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Pessoas com deficiência têm ainda mais invisibilidade em tempos da pandemia

Compartilhe:
images-2020-08-29t025905-357

Da Agência Tambor
Por Danielle Louise
29/08/2020

O Brasil é um país que possui poucas políticas públicas, implementadas, em relação a garantia de direitos às pessoas com deficiência. Em tempos da pandemia da Covid-19, a precarização dos serviços oferecidos à este grupo, aumentou. 

Para falar sobre esta situação e as dificuldades que as pessoas com deficiências encontram no país, o Radiojornal Tambor, recebeu, nesta terça-feira (25), o coordenador do Fórum Maranhense das Entidades de Pessoas com Deficiência e Patologia, Dylson Bessa, e a jornalista, Regina Atalla, com experiência de 30 anos como ativista e defensora de direitos humanos das pessoas com deficiência. 

Regina Atalla destacou que não há visibilidade sobre a proporção de como as pessoas com deficiências estão sendo atingidas pelo novo coronavírus. Segundo ela, a crise sanitária agravou, ainda mais, o contexto deste grupo vulnerabilizado. 

O historiador, Dylson Bessa, ressaltou que nunca houve alguma política construída para pessoas com deficiências, mas sim, serviços públicos oferecidos. 

De acordo com ele, no Maranhão, que possui mais de 1 milhão de pessoas com deficiência, os gestores municipais não assumem que as as políticas, para este grupo, precisam estar dentro da gestão pública, das Secretarias. E em relação a pandemia, a invisibilidade de atendimento às estas pessoas, pode ser demonstrada em todo o país. 

“Não foi criado ferramentas que distinguem pessoas com deficiência, dentro da questão da Covid. Não está se discutindo as políticas”, evidenciou ele. 

A jornalista Regina Atalla também pontuou que o último censo apresentou que, no Brasil, quase 25% da população declara que possui alguma deficiência. “Por que um segmento de tão grande magnitude, consegue ser tão invisível para as políticas públicas e sociedade de modo geral?” questionou a ativista. 

Segundo ela, é preciso que a questão da acessibilidade e inclusão seja uma pauta de todos os setores. 

No entanto, no governo de Jair Bolsonaro, há diversas ameaças de retirada de direitos, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC).”Parece que o governo trabalha para garantir a desigualdade neste país. Parece que este é o projeto ponto mas não será fácil, pois há uma resistência”, apontou a ativista.

Ela também argumentou que é necessário ter um um olhar na deficiência como um fenômeno histórico e social. 

Confira a entrevista completa em nosso TamborCast. 

Deixe seu comentário: