Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Peça sobre Maria Firmina dos Reis é exibida de graça em São Luís

Compartilhe:
Maria Firmina. Imagem: Reprodução

Giovana Kury, da Agência Tambor

Dos livros ao palco: a peça “Maria Firmina dos Reis: uma voz além do tempo” vai estrear nesta quarta-feira (30) em São Luís e será totalmente gratuita. Será exibida nos dias 30 e 31, às 19h30, no Museu de Artes Visuais – Rua Portugal, nº 273, Praia Grande. Será acessível em libras e áudio descrição.

Veja também: História das mulheres, gênero e sexualidade viram tema de evento na UFMA

Idealizadora da peça, a atriz e dançarina Júlia Martins foi entrevistada nesta quarta-feira (30) pelo TamborCast Rádio Tambor. Segundo a artista, desde que descobriu a escritora Maria Firmina, tem dedicado tempo a pesquisas sobre sua vida e suas obras. “Maria Firmina foi uma mulher muito política. Abolicionista, a primeira romancista afrobrasileira, vivendo num período extremamente patriarcal e escravocrata. Ela rompeu barreiras, paradigmas e preconceitos”.

O espetáculo é estrelado apenas por Júlia, em um mesclado de interpretações de trechos das obras de Maria Firmina e danças. Após as apresentações na capital, o objetivo é levá-la para outros municípios maranhenses, principalmente São José de Guimarães, lugar onde a escritora viveu.

A apresentação tem parceria com várias entidades, como a escola de cinema do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), o Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), e é patrocinada pelo Banco da Amazônia.

Maria Firmina

Maria Firmina dos Reis foi a primeira romancista do país. Nasceu em 1822 em São Luís do Maranhão e mudou-se posteriormente para São José de Guimarães. Lá, publicou “Úrsula”, considerado o primeiro romance de uma autora do Brasil. Dedicou sua vida à escrita, ao ativismo abolicionista antirracista e à alfabetização de crianças pobres.

Clique aqui para ouvir a entrevista completa no nosso podcast! 

 

Deixe seu comentário: