Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Luis Antonio Pedrosa fala sobre agravamento da violência no campo

Compartilhe:
pedrosa

Da Agência Tambor
13/07/2021

Pelo menos quatro trabalhadores rurais foram assassinados no Maranhão em menos de um mês. Reginaldo Alves Barros e Maria da Luz Benício de Sousa em Junco do Maranhão; Antônio Gonçalves Diniz em Arari e, ontem (11), José Francisco de Sousa Araújo em Codó.

Nesta segunda-feira (12), o Jornal Tambor conversou com o advogado e militante dos direitos humanos Luis Antonio Pedrosa sobre a escalada da violência no campo no Maranhão.

VEJA ABAIXO A ENTREVISTA

‘’Não se mata quatro pessoas do mesmo segmento da sociedade em menos de 30 dias por coincidência’’, disse Luis Pedrosa.

Na entrevista ele citou a dificuldade do Maranhão de superar a pistolagem e da falta de investigação adequada para descobrir os mandantes dos crimes. ‘’Não sabemos se existe uma ligação entre esses crimes, mas certamente há uma onda no estado’’ afirmou.

A morte mais recente ocorreu em Vergel, povoado de Codó. José Francisco de Sousa Araújo foi o quarto membro de sua família assassinado por conta dos conflitos agrários na região.

Luis Antonio Pedrosa apontou que os conflitos fundiários no Maranhão configuram uma guerra. O advogado acrescentou que a lógica de desenvolvimento do estado é a mesma desde a colonização. ‘’São grandes empreendimentos, monocultores, com produtos primários voltados para a exportação’’. Pedrosa ressaltou que ‘’os conflitos agrários decorrem dessa estrutura arcaica, podre, mas que ainda não caiu’’.

Questionado sobre as medidas emergenciais para conter a violência no campo, Pedrosa sugeriu a criação de um grupo de investigação especializado em questões fundiárias.

Ele falou também que seria importante, necessário, a convocação de uma audiência publica e um pedido para que os movimentos sociais apresentem a relação com todos os inúmeros conflitos existentes no Maranhão. A partir daí, pode ser planejado uma estratégia de intervenção para os casos mais graves fundamentada na criação de forças-tarefas e baseadas em investigações’’ destacou.

Veja abaixo, em nosso canal no YouTube, a edição completa do Jornal Tambor, com a entrevista de Luis Antonio Pedrosa:

YouTube: https://youtube.com/channel/UCSU9LRdyoH4D3uH2cL8dBuQ

Ouça abaixo, pela plataforma Spotify, a entrevista completa de Luis Antonio Pedrosa ao Jornal Tambor.

Deixe seu comentário: