Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Jungmann diz que “políticos poderosos” estão por trás da morte de Marielle

Compartilhe:
10745889

Autor: Luis Kawaguti

27/11/2018

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta-feira (23) ter certeza de que “políticos poderosos”, agentes públicos e milicianos estão envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), ocorrido em março deste ano. Ele afirmou que a Polícia Federal foi impedida por autoridades do estado do Rio de Janeiro ao menos três vezes de investigar o caso, mas que agora o órgão investiga não o assassinato em si mas um suposto complô integrado por autoridades públicas para impedir a elucidação do caso.

“A Polícia Federal – que nós oferecemos mais de uma vez que ela viesse para cá – é uma das melhores polícias investigativas do mundo, e eu acredito que ela vai, sim, avançar. Vai avançar esclarecendo o complô dos poderosos, dos podres poderes, que eu tenho certeza que é fundamental acabar com eles para o bem da sociedade do Rio de Janeiro”, afirmou Jungmann.

“A procuradora-geral da República (Raquel Dodge) teve acesso a duas testemunhas. Uma o Orlando Curicica e outra que permanece no anonimato, em que são feitas gravíssimas, enfatizo, gravíssimas acusações a agentes públicos aqui do Rio de Janeiro. Fica claro que existiria uma grande articulação envolvendo agentes públicos, milicianos, políticos, num esquema muito poderoso que não teria interesse na elucidação do caso Marielle, até porque estariam envolvidos nesse processo – se não tanto na qualidade daqueles que executaram, na qualidade de mandantes”, disse o ministro.

O Ministério Público do Rio argumentou que a federalização do caso afetaria a autonomia das autoridades estaduais. Questionado sobre o fato de o crime ter ocorrido em março e ainda não ter sido solucionado, afirmou: “Minha expectativa é que (a elucidação do caso) tivesse ocorrido muito antes”, afirmou. Ele disse que concorda com declaração recente do secretário da segurança do Rio, general Richard Nunes na qual afirmava que milicianos estariam envolvidos na morte da vereadora.

Questionado se a ausência de uma solução do crime seria uma mácula para a intervenção federal na segurança do Rio, Jungmann negou e disse que a intervenção está tendo sucesso em combater a criminalidade no estado. O ministro esteve nesta tarde no Simpósio Nacional de Combate à Corrupção promovido pela Fundação Getúlio Vargas no Rio, que teve a participação de Sergio Moro, futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública do governo Jair Bolsonaro, do governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella.

* Com informações do Estadão Conteúdo

Fonte: www.uol.com.br

Deixe seu comentário: