Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Jornada Nacional de Lutas do MST marca os 25 anos do massacre de Eldorado dos Carajás

Compartilhe:
eldorado-768x292

Da Agência Tambor
Por Danielle Louise
19/04/2021

Foto: MST

O MST realizou a 15ª edição do Acampamento Pedagógico da Juventude Oziel Alves, realizado na Curva do “S”, em Eldorado dos Carajás, que abriu a Jornada Nacional de Lutas do Movimento Sem Terra. O evento acontece anualmente, em alusão ao massacre de Eldorado do Carajás, que completou 25 anos, no dia 17 de abril.

Nieves Rodrigues, comunicadora popular e militante do Coletivo de Juventude do MST no Pará e Renata Menezes, integrante da Coordenação Nacional do Coletivo de Juventude do MST, participaram do Radiojornal Tambor e comentaram sobre o acampamento e a jornada.

O evento deste ano teve grande parte das atividades feitas de modo online por conta da pandemia da Covid-19.

De acordo com Nieves Rodrigues, o acampamento é um espaço de formação para os jovens sobre a organização da formação política. Um momento de aprendizado e troca de experiências.

No dia 17 de abril, às ações do MST foram marcadas pela memória e denúncia aos 21 assassinatos de Eldorado do Carajás. A hashtag #Carajás25Anos, foi amplamente difundida nas redes sociais.

A ativista Renata Menezes, pontou que houve um aumento no casos de violências no campo desde o golpe de 2016, e que desde 2019, os números subiram ainda mais.

Para ela, o elemento em destaque é que estas violências não acontecem apenas na forma de perseguição, tortura e assassinato, mas também de outras como o conflito pela terra e pela questão ambiental em relação aos povos indígenas.

Renata também ressaltou o aumento dos conflitos durante a pandemia.

“Nesse momento da pandemia, a gente vem sofrendo essas violências de forma mais legalizada”, disse.

Ouça a entrevista completa em nosso TamborCast.

Deixe seu comentário: