Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Grupo de hackers bolsonarista invade evento que denunciaria mineradora no Maranhão

Compartilhe:
apruma48

Diretoria da Apruma Seção Sindical do Andes-SN e Grupo de Trabalho de Política Agrária, Urbana e Ambiental – GTPAUA/Apruma
30/04/2021

 

Nota de Denúncia e Repúdio

 

O Grupo de Trabalho Política Agrária, Urbana e Ambiental (GTPAUA) e a Diretoria da Apruma – Sessão Sindical do ANDES – Sindicato Nacional, que organiza e representa sindicalmente docentes da Universidade Federal do Maranhão, denunciam a ação de hackers que, no dia 29 de abril de 2021, invadiram e inviabilizaram a realização do debate “Mineração e desastres ambientais na Amazônia brasileira: o caso de Aurizona – Godofredo Viana, no Maranhão.

O debate pretendia discutir a atuação predatória e a deterioração hídrica na Pré-Amazônia maranhense, que caracterizam atividade minerária de ouro da Mineração Aurizona S.A. (MASA), subsidiária da mineradora canadense Equinox Gold e que provocou, no dia 25 de março de 2021, grave desastre ambiental decorrente de possível rompimento da maior barragem de rejeitos minerais do Maranhão, localizada nas proximidades da comunidade Aurizona, no município de Godofredo Viana. Uma grande quantidade de lama interditou a única estrada de acesso, isolando a comunidade; invadiu o lago Juiz de Fora, que margeia a comunidade; contaminou a Estação de Tratamento de Água (ETA) do rio Tromaí, que abastece a população de cerca de 4.000 moradores de Aurizona, deixando-a sem fonte de água potável; atingiu a área de igarapés e manguezais, portanto Área de Preservação Permanente (APP), o que compromete a pesca, a mariscagem e, por consequência, a segurança alimentar da comunidade.

O debate foi programado para contar com moradores de Aurizona e pesquisadores universitários e foi pensado como um momento de aprofundar a discussão sobre os efeitos contemporâneos da mineração e de divulgar as consequências vividas pela população de Aurizona, em plena pandemia de Covid-19, diante do tratamento que vem recebendo da empresa causadora do desastre e do poder público.

Apresentando-se como defensores do bolsonarismo e fazendo graves ameaças, inclusive de perseguição e morte aos participantes do debate, os hackers demonstraram seu espírito antidemocrático e agiram sob inspiração fascista, ao inviabilizar a livre e ampla discussão sobre relevante tema e situação da realidade maranhense e brasileira e ao intervir nefastamente em uma atividade de caráter acadêmico.

A Apruma e o GTPAUA/Apruma repudiam veemente esse tipo de interdição, e estão tomando as devidas providências legais para denunciar o ocorrido e os promotores desse ato antidemocrático. É necessário que seja investigado e que, pelo menos, três perguntas sejam respondidas:

  1. Quem compõe esse grupo de hacker?
  2. Quem está por trás e financiou esse grupo?
  3. Por que hackers e seu financiadores não queriam que o debate fosse realizado e as consequências socioambientais do desastre da mineração do ouro em Aurizona fossem denunciadas e divulgadas?

A Apruma e o GTPAUA se comprometem em buscar condições técnicas para realização do debate sem intervenções indevidas, com segurança para seus participantes, em data, endereço eletrônico e mecanismos de checagem de participantes que brevemente serão anunciados. Não nos calarão e faremos um debate mais amplamente divulgado e em condições efetivas de apoiar a luta e resistência das pessoas afetadas de Aurizona.

Na oportunidade, reafirmamos nossa solidariedade à comunidade de Aurizona, afetada por esse crime ambiental e as seguintes reivindicações:

– Informação urgente por parte do Governo do Estado do Maranhão acerca das providências que estão sendo tomadas pelos seus diferentes órgãos que podem ter políticas relacionadas à situação (Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Segurança Pública, Secretaria de Infraestrutura etc.);

– Publicização imediata das providências que estão sendo tomadas pela Agência Nacional de Mineração (ANM) e órgão ambientais;

– Publicização das providências que estão sendo tomadas pelas Promotoria do Meio Ambiente dos Ministérios Públicos Federal e Estadual;

– Imediato e amplo apoio da MASA à população afetada, propiciando água potável, alimentos e outros produtos necessários.

 

Territórios livres da mineração predatória já!

Contra a ação fascista de repressão ao livre debate e à livre atividade acadêmica!

Não nos calarão! Não nos intimidarão!

A luta continua e seremos cada vez mais resistentes e mais fortes!

 

São Luís, 30 de abril de 2021

 

Grupo de Trabalho Política Agrária, Urbana e Ambiental (GTPAUA)

Diretoria da Apruma – Sessão Sindical do ANDES – Sindicato Nacional

Deixe seu comentário: