Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Entidades divulgam importância da agroecologia

Compartilhe:
img-20210601-wa0079

Por Paulo Vinicius Coelho
Da Agência Tambor
01/06/2021

Hoje, às 19h, a Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), a Associação Tijupá e outras organizações lançam uma série de vídeos e podcasts que demonstram a importância da agroecologia por meio do relato de agricultores (foto).

A programação está disponível no site www.agroecologia.org.br e no instagram @associacao_tijupa.

Nesta terça-feira (1), o Jornal Tambor recebeu o coordenador do Programa de Economia Solidária da Associação Agroecológica Tijupá, Carlos Pereira. Ele falou sobre o assunto.
VEJA ABAIXO A ENTREVISTA

Carlos Pereira explicou que a série de vídeos e podcasts conta experiências exitosas envolvendo a agroecologia em seis territórios de cinco estados espalhados pelo país. Agricultores do Maranhão, Ceará, Paraíba, Bahia e Minas Gerais participam das exibições.

O ativista da Tijupá afirmou que a associação tem trabalhado em pelo menos três frentes. Com o programa de economia solidária, o programa ‘’Agroecologia e Territórios’’ e o ‘’Mulheres e Agroecologia’’.

Ele esclarece que a economia solidária encurta a cadeia de comercialização entre o produtor e o consumidor, garantindo produtos de qualidade, sem agrotóxico, com preços mais justos.

‘’Ações como feiras agroecológicas não são apenas espaços econômicos, mas também de construção de conhecimento. Uma coisa é o consumidor ir ao supermercado e comprar um produto que ele não conhece, não sabe como foi produzido. Outra é comprar o produto da agroecologia, onde há o chamado circuito curto de comercialização’’ ressalva.

Questionado sobre o papel da agroecologia na luta por território, Carlos garantiu que ‘’a partir do momento em que os agricultores e as suas organizações se apropriam da agroecologia, eles se fortalecem no campo’’.

Carlos também comentou que os conflitos agrários tem acontecido com muita frequência no Maranhão e os latifundiários costumam contar com o apoio da policia e de outras instituições.

‘’É fundamental aumentar a fronteira de resistência para conter o avanço criminoso que está havendo contra os territórios rurais’’ destacou.

Carlos declarou que no Maranhão ‘’também está se passando a boiada’’ em referência a tentativas de mudanças na legislação ambiental. Segundo o ativista, há um processo de desregulamentação que coloca em risco as conquistas ambientais obtidas ao longo dos anos e beneficia apenas o agronegócio.

Ele lembrou que o governo do estado ‘’nunca negou que apoia o projeto de desenvolvimento do MATOPIBA’’ (fronteira agrícola que abrange os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

‘’Infelizmente esse modelo de desenvolvimento pautado no agronegócio é assimilado por governadores de esquerda’’ reiterou.

Carlos Pereira reforçou que a série de vídeos e podcasts veiculados pela Associação Tijupá e outros movimentos agroecológicos se inserem na luta para que ‘’ o Estado brasileiro e a sociedade percebam que a agricultura não pode ser vista apenas pelo viés econômico, mas também pela importância que ela tem na preservação do meio ambiente e da vida’’.

Veja abaixo a edição completa do Jornal Tambor, com a entrevista de
Carlos Pereira, da Tijupá:

https://youtu.be/sQMaBONA4tg

Ouça a entrevista de Carlos Pereira, ao Jornal Tambor, pela plataforma Spotify:

Deixe seu comentário: