Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Domingo tem Moto e Sampaio

Compartilhe:
dsc-2877
Por Agência Tambor 
21/05/2021

Moto Club e Sampaio Côrrea se enfrentam no próximo domingo (23), às 10h, pelo segundo e último jogo da final do campeonato maranhense.

Além da natural expectativa que existe em torno do maior clássico do futebol estadual, a disputa entre bolivianos e rubro-negros gerou repercussão e polêmica por conta da possibilidade de abertura do Estádio Castelão para receber torcedores.

Cerca de seis mil ingressos seriam vendidos. No entanto, o governo do Maranhão voltou atrás e vetou a presença do público três dias antes da primeira partida da decisão, que aconteceu no dia 16 de maio e foi vencida pelo Sampaio por 1 x 0.

Para falar sobre o futebol maranhense e a final do campeonato estadual, o Jornal Tambor recebeu, nesta quinta-feira (21), o jornalista e presidente do Moto Club, Natanael Junior.

(Veja abaixo a entrevista completa, no YouTube e em podcast)

Perguntado sobre a presença do público nos estádios, proibida por conta da pandemia, Natanael comentou que se vê dividido entre duas posições: a pessoal (contrária a abertura) e a de presidente de clube (preocupado com a perda de receita).

O presidente do Moto relata que já investiu recursos pessoais para pagar contas do time. ‘’O momento do Moto é delicado. O clube vivia da receita dos estádios, com média de público entre três e quatro mil pessoas por jogo, o que representa um faturamento de cerca de 40 mil reais por partida’’ pontuou.

O dirigente avalia que a qualidade técnica do jogador maranhense é uma das melhores do país, mas critica a falta de investimentos.

O presidente do Moto também contestou as ‘’invencionices’’ da Federação Maranhense de Futebol (FMF) na organização do campeonato estadual. Natanael defende um campeonato de regras claras, jogos de ida e volta, pontos corridos e depois semi-final com os quatro primeiros. “A repetição de um regulamento como esse, com transmissão de jogos no interior, finais na capital e envolvimento do público, pode resgatar o futebol maranhense e torna-lo um produtivo atrativo”.

Questionado sobre a criticada propaganda do adversário Sampaio Corrêa que utilizou uma mulher de biquini para divulgar um motel que patrocina o time, Natanael observou que ‘’essa coisa que aconteceu no marketing do Sampaio é como o bolsonarismo, tem um público que aplaude, mas o clube de futebol é abrangente, é um ambiente neutro, tem que apoiar todo mundo, sem distinção de raça, de credo, de classe ou de sexualidade.’’
Veja o Jornal Tambor, com a entrevista de Natanael Júnior, em nosso canal no YouTube

https://youtu.be/l9-pb8qfdtU

E ouça a entrevista na plataforma Spotify

Deixe seu comentário: