Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Damares não veio! Sob protesto, Assembleia Legislativa concedeu homenagem sem a presença da ministra em São Luís

Compartilhe:
DF - DIA INTERNACIONAL DA MULHER/BOLSONARO - POLÕTICA - O presidente da Rep¿blica, Jair Bolsonaro, ao lado de Damares Alves, ministra da Mulher,   FamÌlia e Direitos Humanos, em cerimÙnia alusiva ao Dia Internacional da Mulher, no   Sal¿o Oeste do Pal·cio do Planalto, em BrasÌlia, nesta sexta-feira, 8.      08/03/2019 - Foto: DIDA SAMPAIO/ESTAD¿O CONTE¿DO

Fonte: http://edwilsonaraujo.com

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, suspendeu a viagem que faria a São Luís, nesta terça-feira (24), para receber a Medalha Manuel Beckman, honraria mais importante da Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema). A homenagem foi proposta pela deputada evangélica Mical Damasceno (PTB), filha do pastor Pedro Aldi Damasceno, uma das principais lideranças da igreja Assembleia de Deus.

Diversas organizações dos movimentos sociais ocuparam a galeria da Assembleia Legislativa hoje pela manhã e realizaram um protesto durante a sessão, sob a presidência do deputado Othelino Neto (PCdoB).

A divulgação do protesto desde o fim da semana passada, com ampla repercussão nas redes sociais, é computado entre os motivos da desistência da ministra.

Mesmo sem a presença da homenageada, a Assembleia Legislativa fez um ato protocolar, transformado em um fiasco.

A autora da homenagem, Mical Damasceno, discursou sob vaias e palavras de ordem. “O Estado é laico”, repetiam em coro os manifestantes na galeria da Alema.

O repúdio à ministra decorre de vários pronunciamentos pejorativos sobre direitos humanos, condição feminina, liberdade religiosa, tolerância e pluralidade.

Segundo a organização do protesto, a postura da ministra Damares Alves “representa o ódio, a intolerância, a mentira, o preconceito, as milícias, a LGBTIfobia, o racismo, o machismo, o fascismo, a corrupção, o fundamentalismo religioso e o farisaísmo. Junte-se a nós na luta por amor, liberdade e justiça social!”

A polêmica mais recente envolvendo Damares Alves atinge a revista AzMina, que produziu uma reportagem sobre aborto seguro e legal, com base em orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Damares reagiu ameaçando denunciar a revista. Leia mais aqui

Imagem destacada: Damares Alves e o presidente Jair Bolsonaro. Crédito: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Deixe seu comentário: