Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Audiência contra privatizações da Eletronorte e Eletrobrás acontece em São Luís

Compartilhe:
26297386788_67673b9bf2_b

Via: Giovana Kury/Agência Tambor

A 1ª Audiência Pública em defesa da Eletronorte e da Eletrobrás acontecerá nesta quarta-feira (23), às 14h, no auditório Fernando Falcão na Assembleia Legislativa do Maranhão. O entrevistado desta segunda (21) na TamborCast e Rádio Tambor foi o presidente do Sindicato dos Urbanitários do Maranhão, Fernando Pereira – que falou sobre o assunto.

A empresa Eletrobrás é responsável por gerar, transmitir e distribuir energia elétrica para todo o país. A Eletronorte a recebe e redistribui entre os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima, São Paulo, Tocantins e Maranhão. Por de sociedade mista, 61% do seu investimento da Eletrobrás é vindo da União – contribuição que o Governo Federal pretende dissolver. O plano de privatização vem desde a gestão de Michel Temer.

Segundo o presidente do sindicato, o Maranhão – estado com o pior Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil – pode ter impactos ainda maiores com a possível privatização da Eletrobrás e Eletronorte. “O programa Luz para Todos, se privatizar, acabou. E acaba também a tarifa social. Quem não tem dinheiro, não vai comprar energia. (…) A renda do maranhense ainda é muito pequena, imagine se você incluir energia na conta”, afirmou. O programa já beneficiou 1,6 milhões de maranhenses.

Hoje, a Eletrobrás vende energia pelo valor médio de R$60 à Equatorial Maranhão (antiga Cemar), que distribui para as casas. “Se for comprada pelo mercado, passa para R$250. Significa que a nossa tarifa, que já é a terceira mais cara do país, vai aumentar ainda mais”, explicou Fernando Pereira.

“Cabe a nós discutir que é uma medida que vai afetar todos” defendeu. Ele conta que o sindicato aguarda há 11 meses uma reunião com o governador, Flávio Dino, para discutir o assunto. “Da mesma forma que o governador, em vários momentos, se posicionou a favor da democracia, nós gostaríamos que ele se posicionasse a favor do estado e no papel do Maranhão na geração da energia”.

Deixe seu comentário: