Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Alex Brito opina sobre problemas econômicos do Maranhão

Compartilhe:
economia-coronavirus

Da Agência Tambor
Por Danielle Louise
18/03/2020

O novo coronavírus (COVID-2019), tem se proliferado por todo o país. No Brasil, já há mais de 300 casos confirmados. Por conta disso, os estados têm adotado políticas de prevenção para conter a transmissão.

No Maranhão, o governo estadual determinou que as escolas das redes públicas estaduais e privadas, as universidades e faculdades públicas e privadas suspendessem suas aulas por 15 dias. E algumas empresas têm seguido as recomendações do Ministério da Saúde em deixar seus funcionários trabalhando em casa.

Com todas essas medidas para conter o COVID-19, a economia de todo o país tem sido afetada. Para falar sobre o tema, em relação ao estado do Maranhão, o economista e professor da Universidade Federal do Maranhão, Alex Brito, participou do Radiojornal Tambor desta terça-feira (17).

O economista destacou que o Maranhão terá dificuldades na venda de seus produtos para o exterior. O estado é um grande exportador de commodities para os Estados Unidos, Canadá e China. O país asiático, por exemplo, representa 16% da pauta de exportação no estado.

“A desaceleração da economia mundial terá impactos severos na economia maranhense em termos de PIB, porque os principais clientes são os principais afetados.”, ressaltou ele.

Para Alex Brito, o governo do Maranhão deve realizar qualquer medida de contenção para que não haja o aumento do novo coronavírus no estado. “O governo estadual precisa fazer políticas fiscais para a contenção dos mais vulneráveis”, apontou o economista.

No entanto, ele também ressaltou que a economia maranhense não possui uma estrutura para enfrentar as pandemias. Ele comentou que o governo atual de Flávio Dino não realizou nenhum tipo de mudança na estrutura econômica do estado.

“Não há nenhum tipo de resultado estrutural, de 2014 para cá, que tem provocado alterações na estrutura de renda, ocupação, emprego e de bens e serviços no Maranhão”, ponderou ele.

Para ouvir a entrevista completa ouça nosso TamborCast.

Deixe seu comentário: