Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Alcântara! Maranhão segue ameaçado!

Compartilhe:
quilobola

 

A oposição na Câmara Federal conseguiu obstruir ontem (25/06) a votação do relatório elaborado pelo deputado federal Hildo Rocha (MDB-MA), sobre o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), assinado entre os atuais governos do Brasil e dos Estados Unidos, para o uso comercial da Base de Alcântara no Maranhão. O relatório seria votado na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (Credn).

Hildo Rocha, o autor do relatório, é um velho integrante do grupo Sarney e hoje um servil aliado do governo de Bolsonaro, nessa questão. Ele reagiu irritado à obstrução. A sessão na Comissão foi tensa. O assunto, inclusive, foi tratado hoje (26/06) por diferentes setores da imprensa conservadora do Maranhão.

O deputado federal maranhense Bira do Pindaré (PSB-MA), um dos articuladores da obstrução de ontem, foi inclusive criticado pela mídia bolsominha local. O parlamentar do PSB tem enfatizando os problemas que a Base já provocou para a população de Alcântara, além de tratar da questão da soberania nacional.

Sobre este novo acordo, hoje, quase ninguém sabe exatamente o que o governo Bolsonaro deseja fazer no município maranhense. E sabe menos ainda sobre o relatório do deputado Hildo Rocha, político que já foi secretário de alguns governos de Roseana.

O que se sabe é que a população local de Alcântara, especialmente as inúmeras comunidades quilombolas, foi bastante prejudicada pela implantação da Base. Que muitas promessas foram feitas e quase nenhuma foi cumprida. Além disso, existe todo um discurso racista do atual presidente do Brasil, que já foi processado e condenado por esse tipo de crime.

A Agência Tambor entrou em contato hoje (26/06) com a Câmara Federal, solicitando cópia do relatório feito por Hildo Rocha. O texto que o governo federal encaminhou originalmente para a Câmara dos Deputados, nós já temos. Vamos seguir estimulando o debate em torno da questão.

Fonte: Agência Tambor

Deixe seu comentário: