Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Advogado aponta que não se pode subestimar a extrema-direita

Compartilhe:
atentado-capitolio_site-1

Da Agência Tambor
Por Danielle Louise
11/01/2021

Foto: site Super Interessante

 

Com a invasão por supremacistas brancos no Capitólio, casa do Congresso Nacional dos Estados Unidos, um debate sobre o avanço da extrema-direita e seu projeto de poder foi difundido. 

O advogado criminalista e comunista, João Coimbra Sousa, em entrevista ao Radiojornal Tambor, nesta segunda-feira, 11, destacou alguns pontos deste episódio e sua relevância para a política estadunidense e internacional. 

João Coimbra apontou que é importante frisar que o ataque dos supremacistas brancos, nazistas e apoiadores de Trump foi diretamente ao Poder Legislativo. E também é necessária a conversa sobre qual a democracia estadunidense, qual a brasileira e qual democracia deve ser defendida pela classe trabalhadora. 

Além disso, de acordo com ele, quando se pontua que a polícia dos Estados Unidos auxiliou na invasão ao Capitólio, também é preciso o destaque ao fato de que a instituição tem o mesmo projeto de poder da extrema-direita. 

Para o advogado, o dia seis de janeiro foi um chamado para a segunda guerra civil nos Estados Unidos. 

Outro ponto do episódio no Capitólio, para o comunista, foi a demonstração organizacional dos fascistas. “É um grupo de pessoas que têm a intenção de confundir os espectros e a discussão política, e, principalmente, mostrar sua capacidade organizacional”, afirmou ele. 

Outra preocupação pontuada por João Coimbra é o fato de as pessoas subestimarem os invasores da Casa Legislativa dos Estados Unidos. De acordo com ele, é preciso entender e reconhecer o quão perigosas são os extremistas que invadiram o Capitólio.

Ele ressalta que os fascistas têm a intenção de diminuir as ferramentas democráticas, porque o seu projeto de poder é minoritário de supremacistas brancos. 

Ouça a entrevista completa com o João Coimbra em nosso TamborCast. 

Deixe seu comentário: