Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

whatsapp-image-2019-08-13-at-09-18-54
No comando: Inscrição para o debate “Comunicação, democracia e desigualdade social”.

Das 17h às

Flávia Regina
No comando: Jornal da Tambor

Das 11:00 às 12:00

Trabalhadores da área da cultura denunciam prefeitura de São Luís

Compartilhe:
images-2020-08-24t215515-267

Da Agência Tambor
Por Danielle Louise
24/08/2020

A Lei Aldir Blanc, instituída dia 29 de junho, deste ano, foi criada com o objetivo de garantir renda emergencial para trabalhadores da área da cultura e a manutenção dos espaços culturais. 

Para falar sobre esta Lei e a dificuldade para estes profissionais de São Luís terem acesso a este fundo financeiro, o músico e conselheiro municipal, Wanderson Silva e o ator e membro do Fórum Maranhense de Artes Cênicas, Wagner Heineck, participaram do Radiojornal Tambor, desta segunda-feira (24). 

Wagner Heineck pontuou que os trabalhadores da cultura foram, praticamente, os primeiros a pararem suas atividades logo no início da pandemia. “É compreensível já que os eventos culturais costumam aglomerar pessoas”, disse o ator. 

No entanto, ele destacou que diversas atividades retomaram seus trabalhos, mas a área da cultura ainda não possui nenhuma previsão de retorno. E isto proporciona mais vulnerabilidades para estas pessoas em meio a pandemia. 

A Lei é aplicada com a divisão dos recursos do Fundo Nacional de Cultura para amparar, durante as paralisações das atividades, os artistas e pessoas que trabalham neste meio.

É destinado um auxílio emergencial aos trabalhadores da cultura, auxílios para manutenção dos espaços culturais e editais para aquisições de prêmios. 

Porém, os artistas explicam que o maior problema em São Luís é a falta de informação de como está o processo de aplicação da Lei Aldir Blanc. 

“Não estamos tendo retorno dessas informações. Não há diálogo com o Poder Público municipal”, denunciou Wanderson Silva. 

De acordo com o conselheiro municipal, há uma plataforma federal, nomeada Mais Brasil, que pede um plano de ação, que dialogue com a sociedade civil e o Poder Público, sobre a implementação da Lei. Deste modo é criado um comitê com a sociedade civil e representantes do governo municipal.

“A sociedade civil está bem organizada, estamos bem adiantados. Há meses já trabalhamos em cima desta lei”, ressaltou Wagner Heineck.

Os entrevistados denunciaram também que o secretário de Cultura municipal, Marlon Botão, é integrante do Conselho de Cultura, no entanto, nunca compareceu em uma reunião para tratar sobre a implantação da Lei e também não deu nenhum retorno para a classe. O que dificulta ainda mais o diálogo. 

Os trabalhadores da cultura em São Luís, segundo eles, estão com dificuldades com a não aplicação da Lei.

Para ouvir a entrevista completa confira nosso TamborCast.

Deixe seu comentário: